No Maraca

Paraná Clube encara o líder e a massa rubro-negra, neste domingo, às 19h
Igor recuperou a titularidade na lateral-esquerda.
Foto: Geraldo Bubniak

Após reagir no Brasileirão e emplacar duas vitórias em casa – sobre Fluminense e Bahia – o Paraná Clube tem uma “prova de fogo” pela frente. Neste domingo (10), o Tricolor encara o Flamengo, num Maracanã lotado, às 19h. Lutando para escapar das últimas posições, o time do técnico Rogério Micale estará cara a cara com o líder da competição.

Para esse jogo, o Paraná não terá Leandro Vilela, suspenso pelo terceiro cartão amarelo. Para o seu lugar, Micale conta com o retorno de Torito González. Essa é a única mudança confirmada pela comissão técnica, que ganhou novas opções nessas rodadas que antedecedem a parada da competição para a Copa do Mundo da Rússia.

Carlos Eduardo, por exemplo, reapareceu entre os titulares frente ao Bahia. Thiago Santos foi utilizado como atacante de referência nas duas últimas partidas. Porém, com o departamento médico praticamente vazio, Rogério Micale lançou mão de Silvinho e Carlos, que entraram bem ao longo da última jornada. A definição da equipe acontece somente momentos antes da partida.

“É sempre bom estar presente num jogo como este. Estádio cheio, um adversário num grande momento e, a gente em ascensão. Será um grande desafio”, disse o lateral Igor, que recuperou a condição de titular da equipe. “Jogar num grande estádio e com casa cheia é sempre muito bom. Ganhamos confiança com as recentes vitórias e vamos procurar colocar tudo isso em campo, com muita entrega para que possamos pontuar”, concluiu o goleiro Thiago Rodrigues.

Histórico

O Paraná leva ampla vantagem diante do Flamengo. No histórico dos confrontos, são 11 vitórias e 7 derrotas, em 21 jogos disputados. Ocorreram apenas 3 empates ao longo desses 24 anos de encontros, por Série A, Primeira Liga e Libertadores da América. Nesse retrospecto, alguns triunfos inesquecíveis, e por goleada. Em 2003, o Tricolor disparou 6x2 no Flamengo, em casa. No mesmo ano, fez 3x0 no Rio de Janeiro. Há ainda outras duas vitórias “elásticas” fora de casa: 4x1, em 1996 e 2006, todas pelo Brasileirão.

Arbitragem

O jogo desta noite terá no apito Marcelo Aparecido Ribeiro de Souza (SP). Ele será assistido por Anderson José de Moraes Coelho e Bruno Salgado Rizo. O quarto árbitro será Fábio Rogério Baesteiro, com os adicionais Rafael Gomes Felix da Silva e Rodrigo Gomes Paes Domingues. O sexteto vem de São Paulo.

 

Departamento de Comunicação - PRC