Pra manter o embalo

Text Resize

-A +A
Paraná Clube defende sequência de vitórias diante do Figueirense
Matheus orienta o time no último treino, em Curitiba.
Irapitan Costa

O elenco do Paraná Clube deixa de lado a euforia de sua torcida e mantém o seu foco no jogo desta sexta-feira (29), diante do Figueirense-SC. A partida está programada para o estádio Orlando Scarpelli, em Florianópolis, às 19h15. Com 43 pontos, o Tricolor ocupa a 3ª colocação e é apontado por sites especializados como um dos favoritos ao acesso. “Isso fica para a torcida. É claro que vivemos um bom momento. Mas, é importante manter os pés no chão”, cravou o meia Renatinho.

O técnico Matheus Costa não confirmou, mas deve repetir a mesma formação utilizada na goleada sobre o Náutico-PE (3x0). O atacante Robson, suspenso pelo terceiro cartão amarelo, está fora do jogo e, com isso, Vitor Feijão segue como titular pela extrema esquerda. A outra baixa é o goleiro Marcos. No treino de quarta-feira ele sentiu um desconforto na panturrilha e permaneceu em tratamento, em Curitiba. Douglas Baldini volta a aparecer no banco de reservas, como substituto de Richard.

“O grupo, é claro, sabe de toda essa mobilização do nosso torcedor. Mas, aqui dentro, nós só falamos em Figueirense. O Inter é assunto a partir de sábado”, avisou Matheus Costa. “Nosso objetivo é buscar mais uma vitória. É claro, respeitando o adversário, que tem muita tradição e luta para sair das últimas colocações”, afirmou. Matheus prevê um jogo de muita intensidade. Ainda mais com a condição climática, pois choveu bastante durante todo o dia. “Vamos tentar impor o nosso jogo, com posse de bola e transição rápida”, concluiu.

Retrospecto

O histórico de confronto é ligeiramente favorável ao Figueirense. O clube catarinense soma 11 vitórias contra 9 do Paraná Clube. Ocorreram 7 empates. O Tricolor, na artilharia, também está em desvantagem: 29 gols marcados e 36 sofridos. Como visitante, ao longo dos anos, o Paraná obteve apenas uma vitória no Orlando Scarpelli: 1x0, no Brasileiro de 2006, ano em que o clube se classificou para a Libertadores.

Apito

O jogo desta noite terá um trio de arbitragem do Rio de Janeiro. Wagner do Nascimento Magalhães apita, assistido por Rodrigo F. Henrique Correa e Thiago Henrique Neto Correa Farinha. O quarto árbitro será o catarinense Édson da Silva.

 

Departamento de Comunicação - PRC